app

Super User

Super User

Um dia após a derrota que sacramentou a permanência do Fortaleza por mais uma temporada na Série C, o clima foi de poucas palavras. Os jogadores receberam folga e não apareceram no Pici.

Com a voz abatida, o goleiro Ricardo aproveitou o domingo para se resguardar ao lado da família, mas conversou com O POVO e relatou o clima no vestiário tricolor após a eliminação.

Leia mais: Banco de reservas do Fortaleza sofreu com o time em campo

Leia mais: Coluna do Alan Neto: Repetiu-se a hecatombe...

“O clima foi de tristeza total. Não tem muito o que falar nesse momento. Agora é hora de reflexão, pois algumas palavras podem sair sem querer. Jamais a gente entrou em campo pensando que não conseguiria”, afirmou Ricardo, sem querer comentar sobre sua atuação na partida de sábado (25).

A diretoria do Fortaleza fará durante esta semana reuniões com o elenco tricolor para definir quem sai e quem fica no clube para a próxima temporada.

“Meu contrato vai até o final de novembro. Ainda não conversei com a diretoria, nem ninguém conversou. A gente estava contando com o acesso, mas não nos passaram nenhuma reunião”, complementou Ricardo, goleiro menos vazado da Série C, com 12 gols em 20 jogos.

Mesmo abalado com a desclassificação, o goleiro reconheceu os méritos do Macaé, que soube jogar “com inteligência”, de acordo com Ricardo. “Foi um jogo bastante truncado. O Macaé veio com uma proposta definida de jogar por uma bola. E infelizmente conseguiram e a gente não soube aproveitar as oportunidades.”

VISTORIA NAS CADEIRAS

Segundo a assessoria do consórcio Luarenas, empresa responsável pela administração da Arena Castelão, uma vistoria será realizada hoje no estádio para apurar o número de cadeiras danificadas e outros equipamentos depredados. A vistoria contará com a presença de um membro da diretoria do Fortaleza.

Leia mais: Eliminação torna futuro do Fortaleza incerto em relação à permanência de jogadores e comissão técnica

Mal havia se confirmado a reeleição de Dilma Rousseff (PT) para presidente do Brasil na noite deste domingo (26) e comentários preconceituosos contra os nordestinos começaram a pipocar nas redes sociais. A região concentra o maior número de votos da petista.

“Parabéns ao povo do Nordeste que vota no PT e depois vai pra SP governado pelo PSDB buscar uma vida melhor!”, escreveu uma internauta no Twitter que declarou o voto no candidato do PSDB com a hashtag #EuVoteiAécio45.

A enxurrada de postagens ofensivas ganhou força com a marcha da apuração que definiu a vitória de Dilma em cima do tucano. “Aécio vai perder por causa do Nordeste, depois não querem sofrer bulling”, postou outro usuário do microblog.

“Com muito orgulho #EuVoteiAécio45 Nordeste parabéns vocês f*** o Brasil. Ignorantes 16a [16 anos] de PT Partido dos Trouxas, vão pedir esmolinha espera [SIC]“, tuitou outra eleitora. A hashtag declarando o voto no peesedebista alcançou o topo nostrending topics do Twitter logo após o final da apuração, por volta de 20 horas.

O discurso de ódio contra o povo do Nordeste marcou também o primeiro turno das eleições. Foi criado na época o TumblrEsses Nordestinos“, que reunia mensagens ofensivas contra os eleitores de Dilma.

Comentários preconceituosos também foram publicadas no Facebook (FOTO: Reprodução/ Facebook)

Comentários preconceituosos também foram publicadas no Facebook (FOTO: Repro

Quinhentas armas da Polícia Civil foram entregues para a Guarda Municipal, nesta segunda-feira (27). A entrega dos revólveres calibre 38 aconteceu no Quartel do Comando Geral da Polícia Militar. Com o novo armamento, 100% dos mais de 1,6 mil guardas municipais de Curitiba passam a contar com revólveres entre os equipamentos de segurança. Até então, 60% da corporação trabalhava com o armamento.

As armas, que estão em perfeito estado de conservação e prontas para uso, foram repassadas para a Guarda depois que o governador Beto Richa autorizou a aquisição de novas pistolas para a Polícia Civil.

A Operação Liberdade, no início de maio, culminou com a prisão de traficantes, fechamento de pontos de venda de drogas e apreensão de mais de 70 quilos de crack na região central de Curitiba.

Preparo - Graças às parcerias com o Exército e com as polícias Civil e Militar, a Guarda Municipal tem passado por cursos constantes de aprimoramento no uso de armas. Até o final do ano, mais 500 guardas municipais terão concluído os cursos de capacitação para uso de pistola 380 e da espingarda calibre 12.

O curso faz parte da parceria da Secretaria de Defesa Social com a Delegacia de Explosivos, Armas e Munições da Polícia Civil. Para atender a legislação (Estatuto do Desarmamento), o curso tem o total de 100 horas/aula entre exercícios teóricos e práticos. Entre outubro e dezembro de 2010, quatro turmas com 250 guardas já concluíram o curso de pistola.

Também no final do ano passado, outros 50 guardas fizeram o curso de capacitação para uso de arma – calibre 12 – com munição não letal, de borracha. Este tipo de armamento é recomendado para controle de grandes aglomerações que podem acabar em tumultos, caso dos estádios de futebol. O curso teve o suporte do 5.º Parque de Regional de Manutenção do Exército.

O “jogo-teste” do Fortaleza para firmar parceria com gestora do Castelão não trouxe vitória ao time. Apenas empate sem gols com o Botafogo-PB, que manteve o Leão na liderança do Grupo A, com 16 pontos. Ao torcedor tricolor, ficou a impressão de um estádio mal cuidado. Muitas foram as reclamações por banheiros sujos, falta de logística e por poucas bilheterias disponíveis. Nas redes sociais, a torcida leonina engrossou o coro e questionou a possibilidade de o time mandar jogos somente no local. Mesmo assim, nada mudou nas pretensões do Leão de mandar jogos no estádio. Pelo menos é o que garante a diretoria do clube.


Em conversa com O POVO, o presidente em exercício do Tricolor, Daniel Frota, afirmou que não há motivos para o clube desistir de entrar em acordo com a BWA, atual gestora do Castelão na parceria público-privada. Sobre boatos de que o Fortaleza tivesse desistido do contrato, o dirigente foi enfático: “Não procede”. Não há data marcada para assinatura do acordo.


Apesar do discurso, a primeira experiência na arena gerou desapontamento na diretoria executiva. Na semana passada, o diretor de futebol do Leão, Adailton Campelo, revelou que a expectativa era de 30 mil torcedores no chamado “jogo-teste”. O público total de sábado foi aquém, com total de 20.629 (renda de R$ 324.649).

Pagina 197 de 197

4 Cidades Criativas

4 Cidades Criativas

4 Cidades Criativas

8493 Logo

pensar2

logo